Editorial de março | Folha Espirita online

Editorial de março

Lázaro e o dom de recomeçar

As ações do Cristo deixaram marcas profundas na história humana. Com Ele, iniciou-se um novo modelo de civilização, até hoje não implantado em nosso planeta e que tem seus fundamentos no amor. Durante os três anos de sua missão terrena, extravasou esse sentimento sublime na compreensão dos erros e misérias humanas, desdobrando-se em curas incontáveis, que se constituíram no testemunho vivo de sua compaixão pela humanidade. Falando a Madalena, modificou-lhe a conduta sexual imprópria, fortalecendo nela o anseio da aquisição do verdadeiro amor; hospedando-se em casa de Zaqueu, retificou-lhe os pensamentos, reforçando-lhe as tendências altruístas na distribuição da riqueza. Com a ressurreição de Lázaro, porém, o Senhor deixou lições que até hoje surpreendem. Nas anotações de João consta o momento em que Lázaro, após sair do túmulo, ouve Jesus proclamar: “Desligai-o e deixai-o ir.” (João, capítulo 11, versículo 44).


Em interpretação primorosa desta passagem (Caminho, Verdade e Vida), Emmanuel afirma que “o regresso de Lázaro à vida ativa representa grandioso símbolo para todos os trabalhadores da Terra”. Para Lázaro era um novo começo. Entendem melhor o que isso significa os criminosos arrependidos, os que têm problemas de consciência culpada, os pecadores que se voltam para o bem. Esses entendem mais claramente o que significa a maravilhosa característica do verbo recomeçar.

E Emmanuel acentua: “Lázaro não podia ser feliz tão só por revestir-se novamente da carne perecível, mas, sim, pela possibilidade de reiniciar a experiência humana com valores novos. E, na faina evolutiva, cada vez que o espírito alcança do Mestre Divino a oportunidade de regressar à Terra, ei-lo desenfaixado dos laços vigorosos... exonerado da angústia, do remorso, do medo... Pronunciando as palavras: “Desligai-o, deixai-o ir”, em ato de compaixão que assinala profunda beleza, o Senhor devolve a Lázaro a oportunidade de recomeçar.

“Preciosa é a existência de um homem, porque o Cristo lhe permitiu o desligamento dos laços criminosos com o pretérito, deixando-o encaminhar-se, de novo, às fontes da vida humana, de maneira a reconstituir e santificar os elos de seu destino espiritual, na dádiva suprema de começar outra vez.”

Como filhos pródigos, ainda distantes da Casa do Pai, começamos a sentir a grandeza do ato de recomeçar.

Aproveitemos a hora presente. Desliguemo-nos do passado de erros e plantemos amor e paz ao nosso redor.

Março de 2012