Edição setembro de 2018 | Folha Espirita online

Edição setembro de 2018

FE de setembro 2018
DESTAQUES DESSA EDIÇÃO

    Homens e mulheres. Iguais perantea Lei de Deus

    A mudança do Brasil pelo nosso voto

    Independência e Espiritualidade

    Setembro Amarelo e o suicídio

    Mudanças mentais e equilíbrio celular

    A diferença entre nós e um óvulo fecundado

    Ontem a agressora, hoje a vítima

Se você é assinante da versão online, clique na imagem ao lado para ler a edição atual.

Se ainda não é assinante, assine agora mesmo aqui e ganhe de brinde o livro O Legado de Marlene Nobre.



EDITORIAL

Setembro Amarelo

Os dados estarrecedores, porém pouco propagados na mídia a respeito do suicídio, denotam um certo comportamento velado, um silêncio em torno do assunto. Ao destacarmos este mês para falar sobre a prevenção ao suicídio, temos uma excelente oportunidade para trazer a lume os inúmeros fatores de risco, bem como serviços de apoio e assistência aos que padecem.

De forma muito consciente da importância do tema, e ciente de sua responsabilidade como comunicador, o jornalista André Trigueiro dedicou-se a escrever sobre o assunto na edição de 1º de setembro do jornal O Globo, reforçando a informação da Organização Mundial de Saúde que indica que o suicídio já seria a segunda principal causa de morte de pessoas entre 15 e 29 anos, sendo que no Brasil o número de casos aumentou 65% entre pessoas de 10 a 14 anos e 45% no grupo que vai dos 15 aos 19 anos (entre 2000 e 2015), enquanto na média geral da população o aumento nesse período foi de 40%.

Sem dúvida, são dados alarmantes, e pesquisas indicam que em mais de 90% dos casos confirmados de suicídio há relação com patologias de ordem mental, especialmente depressão. O mês de discussão ajuda-nos a compreender um pouco mais como é possível perceber sinais que podem culminar no ato suicida. Claro que não é fácil perceber, mas vale observar indícios como o isolamento do convívio social, desinteresse e desalento acentuados. Esses são pontos que merecem cuidado. Algumas frases soltas e recorrentes como “se não der certo eu desisto de tudo” ou “não suporto mais nada” – ainda que pareçam ter pouca relevância – também merecem atenção.

Diante de caracterizações de ideação suicida é fundamental que se atue de forma rápida, procurando ajuda especializada para a melhor recomendação terapêutica. O Centro de Valorização da Vida (CVV), que teve seu trabalho iniciado em 1962, em São Paulo, tem números de atendimentos cada vez maiores. A organização realiza um serviço voluntário de apoio emocional e prevenção ao suicídio por telefone ou pela internet. As ligações feitas para o número 188 passaram a ser gratuitas em todo o território nacional. Para se aproximar da camada mais jovem da população, a instituição vem operando com grande êxito um chat que abre um canal de comunicação direta com os mais jovens.

Não há dúvida de que a busca pela espiritualidade e a prática da caridade têm muito a colaborar com as pessoas como medidas preventivas contra o suicídio. O Setembro Amarelo é muito importante, ao divulgar informações úteis que podem evitar tragédias, e ainda fomenta a criação de redes de apoio e de atenção que extrapolem o universo dos profissionais de saúde.

Façamos parte desse movimento, levando aos corações a Doutrina Espírita como fonte de paz e equilíbrio para as questões existenciais, que nos consola, esclarece e transforma. E que a gratidão pela vida e o amor pelo semelhante possam ser nossas bandeiras em mais um Setembro Amarelo.