Edição abril de 2020 | Folha Espirita online

Edição abril de 2020

FE de abril 2020
DESTAQUES DESSA EDIÇÃO

    Coronavírus, o mundo nunca mais será o mesmo

    Espiritismo e Física Quântica

    Evidências da reencarnação

    Um novo amanhecer

    Crianças em casa. O que fazer?

    Incapacidade e Espiritismo

    Diário de um médico espírita



Clique na imagem ao lado para ler a edição de abril.


O acesso é livre a todos os visitantes do site.







EDITORIAL

Abrindo as janelas para um novo amanhecer

Nos últimos dias, não foram poucas as vezes que nos deparamos com vídeos nas redes sociais mostrando vozes solidárias embalando os ouvidos de vizinhos que, provavelmente, pouco falavam ou mal se conheciam. Palmas nas janelas das sacadas em momentos únicos, celebrados com intensidade, em vários cantos do mundo. Pessoas que antes não tinham tempo, pela correria de seus dias, trancafiados em seus apartamentos, têm buscado, de alguma forma, não se sentirem tão sozinhas. Cantam parabéns para um amigo que faz aniversário, promovem pequenas festas, happy hours, almoços, lanches e jantares, tudo on-line. Vivem experiências únicas e aprendem novas formas de não estarem só.

A verdade é que esse pequeno ser invisível nos tem feito voltar a enxergar as pessoas que estão ao nosso redor. Na família, vemos um movimento de retorno ao lar. Voltamos a estar juntos, a conversar, a fazer coisas que há tempos não fazíamos. Talvez uma oportunidade, do ponto de vista reencarnacionista, de resolver temas inacabados e diferenças, por meio do reconhecimento das virtudes,
como a paciência, a generosidade e a gratidão.

Um movimento crescente de solidariedade também vem despontando. Na comunicação, jornais e emissoras abriram suas plataformas em prol das notícias, tão importantes neste momento, pessoas criaram movimentos de ajuda aos vizinhos, principalmente idosos. Na semana do fechamento desta edição, vimos acelerar o movimento de ajuda aos mais carentes em nosso país, certamente os mais atingidos pelo isolamento social. Vamos ganhando, assim, a consciência sobre estarmos todos no mesmo barco e a necessidade de ajudarmos uns aos outros em prol do próximo mas de nós mesmos.

O que será do nosso futuro? Hoje, ninguém tem essa resposta, mas o que todos temos a certeza é que este momento de introspecção nos fará refletir sobre o que somos e, principalmente, sobre o que de fato queremos ser e ter para nossas vidas. Não sabemos ainda por quanto tempo ainda viveremos essa experiência inédita em nosso planeta, mas certamente sairemos diferentes disso tudo. Esperamos que quando a porta das nossas casas voltar a se abrir, passemos a dar mais valor a tudo o que está a nossa volta e ajudemos a construir um mundo mais fraternal e mais justo para todos nós.