Folha Espirita online

Edição maio de 2018

FE de março 2018
DESTAQUES DESSA EDIÇÃO:

    A vida no plano espiritual contada nos palcos

    Capital mineira ganha Memorial Chico Xavier

    A importância do Evangelho no Lar

    Vida e obra de Kardec em quadrinhos

    Lançada releitura de livro de Léon Denis

    Como vencer a corrupção no Brasil?

    Conflitos sociais, a guerra de todo dia

Se você é assinante da versão online, clique na imagem ao lado para ler a edição atual.

Se ainda não é assinante, assine agora mesmo aqui e ganhe de brinde o livro O Legado de Marlene Nobre.

EDITORIAL

Dia das Mães, o dia do amor

Ao concluirmos esta edição, refletíamos sobre os acontecimentos que nos impactaram recentemente ou que marcariam o mês de maio. Foi, então, que, tomados de uma grande emoção, decidimos dedicar algumas linhas que fossem possíveis de expressar nossa gratidão àquelas que nos permitem a reencarnação, colocando o seu ventre, suas energias e recursos em prol de nosso acolhimento na nova etapa da experiência terrestre.

A vasta e transformadora literatura espírita convida-nos a contemplar a reencarnação como uma verdadeira dádiva à qual devemos render graças todos os dias de nossa vida. Como expressar nossa gratidão aos espíritos abnegados que se entregam muitas vezes em sacrifício para que possamos avançar na senda evolutiva?

Percebemos o cuidado e a extensa programação de uma reencarnação ao nos depararmos com os relatos de André Luiz no planejamento reencarnatório de Segismundo, com tantos detalhes envolvidos, que nos permitem reconhecer que a Providência Divina nos coloca diante de situações e limitações totalmente adequadas à nossa caminhada. E que dizer do compêndio de amor e resgate que permeiam a trama de reencontros através da reencarnação, na narrativa do livro E a Vida Continua..., protagonizados por Ernesto Fantini e Evelina Serpa?

O fio condutor que nos toca o coração, ao nos dedicarmos à contemplação da vida, não pode avançar sem a figura central de nossas mães. O amor é força transformadora e redentora, e o de uma mãe é a mais próxima expressão que podemos experimentar em nossas vidas do Amor do Pai Celestial. Ainda que estejamos todos imersos em um profundo processo de provas e expiações, temos no amor materno uma faísca de iluminação que nos guia na escuridão de nossas próprias mazelas.

A referência que os espíritos de escol fizeram a suas mães nos emociona. Como não recordar nosso querido Chico Xavier, que se referia a sua mãe, Maria João de Deus, como a “querida mãezinha” que o acompanhara em todos os dias de sua vivência de 92 anos? A descrição de Chico de seu encontro com Maria João de Deus antes de sua reencarnação, em 1910, é um dos mais belos relatos acerca do reconhecimento e amor que se deve a uma mãe.

O amor de uma mãe atravessa o tempo e o espaço e jamais é esquecido pelo filho acolhido. Recordemos a figura de Matilde e seu reencontro com o Papa Gregório em Libertação, quando o Papa quer empunhar espadas, mas a mãe amada responde:
– Eu não tenho outra espada, senão a do amor com que sempre te amei!

E de súbito desvelou o semblante vestalino, revelando-lhe a individualidade num dilúvio de intensa luz. Contemplando-lhe, então, a beleza suave e sublime, banhada de lágrimas, e sentindo-lhe as irradiações enternecedoras dos braços que, agora, se lhe abriam, envolventes e acolhedores, Gregório deixou cair a lâmina acerada e de joelhos se prosternou, bradando:
– Mãe! Minha mãe! Minha mãe!…

Matilde enlaçou-o e exclamou:
– Meu filho! Meu filho! Deus te abençoe! Quero-te mais que nunca!
Verificara-se, ali, naquele abraço, espantoso choque entre a luz e a treva, e a treva não resistiu…

Gregório, como que abalado nos refolhos do ser, regressara à fragilidade infantil, em pleno desmaio da força que o sustinha. Finalmente, iniciara sua libertação.

Em nosso preito de gratidão a nossas mães, encarnadas ou já desencarnadas, rogamos ao Nosso Pai que nossos dias possam ser coroados de amor e reconhecimento a esses corações e que o amor possa ser a força que jamais nos separe dessas almas abnegadas.

Feliz Dia das Mães, que é o dia de celebração do amor.

Conteúdo sindicalizado