Folha Espirita online

Edição setembro de 2019

FE de agosto 2019
DESTAQUES DESSA EDIÇÃO

    Amazônia, o planeta e a responsabilidade de cada um

    Mais mulheres espíritas no Brasil

    A quarta dimensão e o hiperespaço

    Animal não é “coisa”

    História não contada do Espiritismo

    Dar valor para o que se tem

    Quando o amor transforma vidas



Se você é assinante da versão online, clique na imagem ao lado para ler a edição atual.

Se ainda não é assinante, assine agora mesmo aqui e ganhe de brinde o livro O Legado de Marlene Nobre.



EDITORIAL

Bezerra de Menezes homenageado no Senado

O Senado brasileiro homenageou, no dia 29 de agosto, em sessão especial, o médico Adolfo Bezerra de Menezes Cavalcanti, mais conhecido como Doutor Bezerra de Menezes, ou o “médico dos pobres”. O dia foi escolhido por ser a data em que o médico nasceu, em 1831.

O autor do pedido para a homenagem, o senador Eduardo Girão (Podemos-CE), definiu Bezerra de Menezes como grande pacifista e humanista do século XIX:
Além de médico e escritor, ele também foi vereador e deputado e lutou por causas à frente de seu tempo. É uma trajetória brilhante, de muita superação. Ele levou muita luz para essa Terra, como médico, como político libertário, um dos grandes responsáveis pela abolição da escravatura no Brasil”, destacou.

O presidente da Federação Espírita Brasileira (FEB), Jorge Godinho Nery, ressaltou que o exemplo de Bezerra de Menezes deveria ser seguido por todos os médicos, espíritas e por todos os políticos, lembrando que ele se declarou espírita assim que teve contato com O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec: “Ao longo do trajeto da minha leitura, eu fui tomando consciência, achando que eu tinha nascido espírita e eu nasci espírita”, teria dito Bezerra.

O senador Nelsinho Trad (PSD-MS) lembrou a coragem de Bezerra de Menezes de se assumir espírita e defender o direito das pessoas de seguir o Espiritismo em uma época na qual a Doutrina não era aceita. O juiz José Carlos de Lucca, palestrante espírita, destacou a preocupação do homenageado com pessoas consideradas “invisíveis”: “Bezerra de Menezes olhava para os invisíveis, para os que não tinham nome, os que não tinham dignidade, os que não eram ouvidos pelo Estado e pelos poderes públicos”.

O presidente da Federação Espírita do Ceará, Luciano Klein, biógrafo de Bezerra de Menezes, afirmou que sua pesquisa permitiu a constatação da grandeza do médico. De acordo com Klein, ele era um pai amoroso, que suportou a perda de 8 dos seus 14 filhos por doenças como a febre tifoide: “Era alguém que, diferentemente de muitos de nós, pregava o que vivia e vivia o que pregava cotidianamente, sempre tendo a preocupação precípua de atender alguém que padecia de algum mal, de alguma dificuldade, nos momentos de sua trajetória de vida”.

Durante a homenagem, foi exibido um trecho do filme Bezerra de Menezes – O Diário de um Espírito. O ator Carlos Vereza, que interpretou o médico no filme, também participou da solenidade. O escritor Alexandre Caldini, autor do livro A Morte na Visão do Espiritismo, destacou a evolução de Bezerra de Menezes na Terra e definiu a homenagem como uma pequena retribuição de todo o bem que o médico fez ao próximo. Para ele, a lei de Deus pode ser traduzida pelo amor, pela caridade e pelo bem.

Uma grande homenagem, sem dúvida, ao doutor Bezerra de Menezes e ao Espiritismo!

Edição agosto de 2019

FE de agosto 2019
DESTAQUES DESSA EDIÇÃO

    A Teoria Corpuscular do Espírito

    Espíritas no Brasil: quantos somos?

    Doutores do corpo e da alma

    Preparação para a Nova Era

    O perigo do álcool na adolescência

    As aflições que criamos



Se você é assinante da versão online, clique na imagem ao lado para ler a edição atual.

Se ainda não é assinante, assine agora mesmo aqui e ganhe de brinde o livro O Legado de Marlene Nobre.





EDITORIAL

Reflexão sobre o Dia dos Pais

No dia 11 de agosto deste ano, comemora-se o Dia dos Pais, data do calendário comercial que não deixa de ser uma oportunidade para que se revivam os laços entre pais e filhos e, com isso, haja reflexões sobre o significado da paternidade.

Vivemos em um país no qual, segundo dados da pesquisa Pnad do IBGE, mais de 31,2 milhões de lares são chefiados por mulheres. Esse número cresceu nos últimos anos, o que pode ser explicado por uma melhora na igualdade de gêneros, mas também por uma questão de vulnerabilidade social, na qual a realidade do abandono de lares por pais é muito grande, deixando a mulher com os filhos. É nesse ponto que desejamos imprimir uma reflexão profunda aos pais.

No livro O Evangelho de Chico Xavier, de Carlos Bacelli, o médium mineiro cunhou uma frase que deve ser lida pelos pais todos os dias: “Várias vezes visitei com Emmanuel e André Luiz as regiões do Umbral... Não vi por lá uma criança sequer, mas pude observar muitos pais que se responsabilizaram pela queda dos filhos – mais pais do que mães! Muitas mulheres são vítimas de seus maridos, foram abandonadas por eles, lutando sozinhas com a educação dos filhos... É um caso difícil”.

A colocação de Chico deve nos chamar a atenção para com o dever da paternidade responsável, aquela que se faz presente, que acompanha passo a passo a mãe no desenvolvimento dos filhos, com equilíbrio de responsabilidades e, principalmente, dedicação, que fará muita diferença no desenvolvimento da criança. É importante frisar que a paternidade não está vinculada ao gênero, mas, sim, ao seu papel fundamental em uma relação pautada no amor entre dois seres humanos que decidem acolher um espírito como seu filho e com isso auxiliá-lo em seu desenvolvimento na presente encarnação, tendo consciência da grande responsabilidade de educá-lo e conduzi-lo.

Que, ao refletirmos sobre o Dia dos Pais, possamos render graças a eles por tudo quanto representam em nossa vidas, lembrando ainda da célebre frase do filósofo alemão Albert Schweitzer: “O exemplo não é a melhor forma de educar, é a única”. A todos os pais, um feliz dia, no qual possamos recordar a responsabilidade da paternidade e do exemplo na vida dos filhos. Ser pai é uma dádiva, um presente do Criador, que nos confia um dos seus filhos para que possamos amá-lo e auxiliá-lo em sua trajetória terrena.

Conteúdo sindicalizado